Estudos – Finais de Cavalos: Elementos e Regras

Estudos – Finais de Cavalos: Elementos e Regras

Maio 24, 2019 0 Por CLAUBER MARTINS

Com este artigo, abordamos o estudo básico das finais de cavalos, finais que exigem clareza e poder de cálculo para os jogadores de xadrez devido ao movimento peculiar do cavalo de xadrez, especialmente se a prancha estiver praticamente deserta.

Na hora de lutar contra os peões, o cavalo é a peça mais débil já que ao cruzar o tabuleiro supõe-se como pequenos três jogos e aceder ao quadrado exato que pode algum movimento mais. Isso significa que, às vezes, um único peão pode ser inimigo demais para um cavalo. Aqui mencionamos algumas regras e elementos que são sempre úteis no raciocínio e no cálculo desses finais.

Elementos e regras em finais de cavalo

1. O cavalo sozinho não ganha tempos contra o rei. É fácil observar que o cavalo necessariamente salta de um quadrado branco para um quadrado preto ou vice-versa, isso permite ao rei rival ajustar seus movimentos a esse ritmo de cores.

Na posição de exemplo, se o branco joga 1.Rf2! – um casa negra como aquele ocupado pelo cavalo – pegue um empate porque o cavalo nunca pode desalojá-lo dos quadrados f1 e f2. Quando o cavalo chega à área, ele sempre faz o xeqie para que o rei possa ocupar o quadrado adjacente.

2. A pior colocação do cavalo é diagonal ao seu alvo .

No diagrama, o cavalo branco precisará de quatro movimentos para atacar o peão adversário, bem como o cavalo preto para dar o xeque no rei adversário.

3. Efeito de borda do Tabuleiro. A borda do tabuleiro limita significativamente a manobrabilidade de todas as peças e o cavalo não é exceção. Em sua luta contra um peão, o cavalo pode detê-lo mesmo quando ele atinge o sétimo, a menos que seja um peão da torre, caso em que o peão deve estar sexta para ser capaz de pará-lo sozinho. Vamos ver um exemplo.

Se 1.Rc7 Ca7 2.Rb7 Cb5 3. Rb6 Cd6! 4.a7 Cc8 + e tablas.

4. Formação de barreiras. Quando o cavalo pára um peão, simultaneamente ataca outro grupo de quadrados, direta ou indiretamente, todas as casas dominadas constituem uma barreira que complica a aproximação do rei inimigo ao seu peão.

No diagrama anterior e no seguinte, o rei branco é forçado a cercar a barreira de quadrados defendida pelo cavalo.

Uma regra muito útil que pode ser verificada nesses diagramas é que, se o jogador branco jogar e o rei preto estiver na primeira linha, o jogador branco ganha. Nos outros casos, são tablas.

Outra posição de interesse é a seguinte:

Se o rei preto está dentro do retângulo que delimitamos e ele tem que jogar, a posição é de tablas. Este tipo de posições “meta” deve ser conhecido muito bem, uma vez que elas permitem reduzir significativamente os cálculos de longo alcance neste tipo de finalização.

Cavalo contra peão de torre

Em seguida, veremos um caso prático em que perceberemos as dificuldades que um cavalo enfrenta ao parar um peão da torre.

A primeira coisa a fazer em quase todas as finais do xadrez é determinar o esquema básico de ação, definindo os objetivos e atribuindo as funções correspondentes a cada peça. No presente exemplo, o cavalo deve parar o peão oposto, o objetivo é as casas g4 e f1, pois, sendo um peão da torre, sabemos que devemos pará-lo na sexta. A principal dificuldade deste final é que o rei negro está muito bem localizado.

Portanto, após 1.Cc3 h5 2.Cd5+ Rf3! e o rei é colocado diagonalmente ao cavalo evitando que ele alcance os “meta” quadrados, sendo impossível para o alvo deter o peão.

Isso nos permite intuir o quão complicada é a manobra do cavalo que atinge o objetivo de se envolver. Podemos descartar o movimento 1.Cc1 para a mesma circunstância, portanto o bom movimento deve ser 1.Cb4! h5 2.Nc6 Re4 (novamente na diagonal, se 2… h4 3.Ce5 e o cavalo atinge g4) 3.Ca5 !! (um movimento que parece incompreensível se não se percebe que o cavalo procura a caixa c4 de onde ele pode acessar as caixas temáticas g4 e f1) 3… h4 4.Cc4 h3 (se 4… Rf3 5.Ce5 + Rg3 6.Cc4! h3 7.Ce3 e o cavalo atinge f1 ou g4, se 4… Rf4 5.Cd2 com o mesmo resultado) 5.Cd2+ seguido por 6.Cf1 obtendo o objetivo e as tabelas.

Este exemplo serve como uma introdução ao final básico do cavalo, finais cujo estudo estaremos concluindo em artigos posteriores.